Birdwatching em Maraú-Bahia

O vídeo de estreia do canal Brazil Birding não poderia ser de outro lugar para mostrar as belezas da nossa natureza a exuberante vida selvagem do Brasil.

Foi uma aventura no litoral sul da Bahia. A ideia foi mostrar como é possível aproveitar as belas praias e elaborar um roteiro para fazer birdwatching nas florestas de mata atlântica perto das cidades de Itacaré e Maraú.

Para quem vai fazer a viagem de avião, a melhor opção é descer no aeroporto de Ilhéus. De lá, fomos de carro até a praia de Taipu de Fora. Um percurso de 125 quilômetros pela rodovia BA-001 e outros 40 quilômetros em estrada de terra, a BR-030. É preciso ficar atento, porque em períodos de muita chuva, essa estrada de terra fica intransitável.

Em Maraú, na praia de Taipu de Fora, as piscinas naturais são a grande atração. É preciso ficar atento para a melhor época de visitação. Nas luas cheia e nova, o movimento das marés fica mais intenso. As marés baixas formam as piscinas naturais e possibilitam mergulhos para observação da vida marinha, bem perto da faixa de areia. É uma ótima opção para quem estiver nessa região do sul da Bahia.

Piscina natural na praia de Taipu de Fora

 

 

 

 

 

OBSERVAÇÃO DE AVES EM MARAÚ E ITACARÉ

Durante a nossa estada de uma semana na região, o objetivo foi separar dois dias para fotografar e fazer observação de aves. Em um deles, seguimos até a cidade vizinha de Itacaré, famosa pelas praias, mas também com uma diversidade de aves incrível. No roteiro, uma visita ao comedouro instalado na casa do guia Nido Cafezeiro. Lá, passamos algumas horas fotografando diversas espécies. Ficamos encantados com as cores da saíra-pérola e do cambada-de chaves. Vimos outras aves que também aparecem na mata atlântica do sudeste, como a saíra-sete-cores (ave que inspirou a nossa logomarca), saí-verde e gaturamo-verdadeiro.

Cambada-de chaves
Tangara brasiliensis

UMA AVENTURA NA MATA ALTÂNTICA

Em outro dia da viagem, voltei a Itacaré. Juntamente com o Nido Cafezeiro, fomos em busca de outras espécies. No meio do caminho, noS deparamos com ferreirinho-relógio, com um bando barulhento de beneditos-de-testa-amarela, entre outros. Nessa expedição, o principal objetivo era ver de perto uma ave ameaçada de extinção: o macuquinho-baiano.

Em uma trilha no meio da mata, vimos espécies interessantes, como o Flautim-marrom e o cabeça-encarnada. Descemos um morro bastante íngreme, e lá embaixo encontramos uma grande cobra jiboia enrolada em uma ponte improvisada.

Esse não foi o principal problema. Antes da travessia de um rio, começou a chover forte. Fiquei debaixo de uma capa de chuva por duas horas, até a tempestade dar uma trégua. Pensei em desistir, com receio de estragar os equipamentos fotográficos. Naquela circunstância, não tinha o que fazer e como voltar para o início da trilha.

Ainda com uma chuva fina, seguimos. Chegamos ao local de avistamento do macuquinho-baiano. Com a reprodução da vocalização do bicho, ele apareceu, comeu o alimento deixado ali, de forma estratégica. A ave deu um show para a nossa lente. Foi realmente muito emocionante.

Macuquinho-baiano
Eleuscytalopus psychopompus

Com a missão cumprida, voltamos para o início da trilha e com muita fome. O guia Nido tirou da mochila o nosso almoço. A famosa “farofa do macaco” foi servida na folha da patioba. A folha dessa planta é usada pelos índios em receitas culinárias, para fazer assados e também para servir alimentos. Sem dúvida, a nossa expedição pela mata atlântica no sul da Bahia foi bastante divertida.
Espero que goste do nosso vídeo. E nos ajude a impulsionar o canal Brazil Birding, dando like no vídeo e se inscrevendo no canal. Ative o sininho para receber as notificações.

Até a próxima aventura.

Compartilhe
Rogério SiqueiraBirdwatching em Maraú-Bahia

Related Posts