Com isolamento social, quantidade de raios diminuiu em São Paulo

O Brasil é conhecido como o campeão mundial de incidência de raios. São 78 milhões de descargas elétricas todos os anos no território do país. Mas, com a pandemia do novo coronavírus e o isolamento social, muitas pessoas deixaram de usar os carros, o transporte público reduziu a frota e as indústrias diminuíram as produções.

O resultado foi uma melhor qualidade do ar na cidade de São Paulo. Segundo o projeto World Air Quality, a redução da poluição foi de 20 por cento.

 

Raio durante chuva em São Paulo

A partir desse cenário, um estudo do Grupo de Eletricidade Atmosférica (ELAT) do INPE, mostrou que a queda da poluição na cidade de São Paulo, também fez diminuir o número de raios. Foram analisadas as descargas atmosféricas de 20 de março a 02 de abril. E o resultado apontou os raios, que são as descargas elétricas que chegam ao solo, diminuíram. Por outro lado, aumentaram os relâmpagos que ficam dentro as nuvens.

No período estudado, só 4% das descargas atingiram o chão, enquanto nos anos anteriores esse percentual variou de 40% a 63%. O estudo mostra que as “super” tempestades, com mais de três mil raios, que têm ocorrido em São Paulo nos últimos anos, são consequência do aumento dos níveis de poluição juntamente com o aumento da temperatura na cidade, formando o que se conhece como “ilhas de calor”.

Rogério SiqueiraCom isolamento social, quantidade de raios diminuiu em São Paulo